GLOSSÁRIO LOGÍSTICO (D)

| A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |

DAF - DELIVERED AT FRONTIER
veja ENTREGUE NA FRONTEIRA

DATA DE VENCIMENTO DA COTAÇÃO (QUOTATION EXPIRATION DATE)
Data em que a cotação de preço perde a validade.

DATA LIMITE DE EXPEDIÇÃO (SHIP-AGE LIMIT)
Data após a qual um produto não pode ser expedido para o cliente.

DATA WAREHOUSE
veja ARMAZÉM DE DADOS

DAWB - DIRECT AIRWAY BILL
veja CONHECIMENTO DE TRANSPORTE AÉREO DIRETO

DC - DISTRIBUTION CENTER
veja CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

DDP - DELIVERED DUTY PAID
veja ENTREGUE COM TAXAS PAGAS

DDU - DELIVERED DUTY UNPAID
veja ENTREGUE SEM TAXAS PAGAS

DECENTRALIZED INVENTORY CONTROL
veja CONTROLE DESCENTRALIZADO DE ESTOQUE

DECLARAÇÃO DE CARGA (CARGO DECLARATION)
Termo genérico, às vezes chamado de declaração de frete, aplicado aos documentos conforme as especificações exigidas pela alfândega relacionada à carga (frete) transportada comercialmente.

DECLARAÇÃO DE EXPEDIÇÃO (SHIPPING NOTE)
Documento fornecido pelo expedidor ou seu agente para o transportador ou outra autoridade de recebimento, dando informações sobre remessas de exportação oferecidas para transporte, e os recibos e declarações de responsabilidade necessários.

DEDICATED CONTRACT CARRIAGE
veja CARREGAMENTO DE CONTRATO DEDICADO

DEDUÇÃO EM ESTOQUE DE NÍVEL ÚNICO (SINGLE-LEVEL BACKFLUSH)
Uma forma de dedução em estoque que reduz o estoque somente das peças usadas no nível seguinte de uma montagem ou submontagens.

DEDUÇÃO NO PONTO DE CONTAGEM (COUNT POINT BACKFLUSH)
Técnica de dedução que usa mais de um nível da lista de materiais retornando aos pontos anteriores onde a produção passou por contagem.

DELINEAMENTO DE EXPERIMENTOS (DESIGN OF EXPERIMENTS- DOE)
Processo para estruturar estatisticamente estudos válidos em qualquer ciência.
Uma técnica de gerenciamento da qualidade usada para avaliar o efeito de mudanças cuidadosamente controladas e planejadas. O objetivo é melhorar os processos de produção.

DELIVERY CONFIRMATION
veja CONFIRMAÇÃO DE ENTREGA

DELIVERY DEPENDABILITY
veja DEPENDÊNCIA DE ENTREGA .

DELIVERY SPEED
veja VELOCIDADE DE ENTREGA

DELPHI METHOD
veja MÉTODO DELPHI

DEMAND FLOW
veja FLUXO EM DEMANDA

DEMAND FORECASTING UNIT
veja UNIDADE DE PREVISÃO DA DEMANDA

DEMAND MANAGEMENT
veja GERENCIAMENTO DA DEMANDA

DEMANDA (DEMAND)
Necessidade de um produto ou componente especifico originada de uma série de fontes, internas e externas.

DEMANDA ANORMAL (ABNORMAL DEMAND)
Mudança imprevista no nível de pedidos de clientes.

DEMANDA DE ARMAZÉM (WAREHOUSE DEMAND)
Necessidade de reabastecimento de um item no estoque em determinado armazém.

DEMANDA DEPENDENTE (DEPENDENT DEMAND)
Demanda diretamente relacionada com, ou derivada da estrutura de uma lista de materiais de outros artigos, ou produtos finais. Estas demandas podem então ser calculadas e não necessitam, ou dependem, de previsões. Em um dado produto, tanto pode ocorrer demanda dependente, quanto demanda independente. Por exemplo: um componente pode ser, simultaneamente, peça referente a uma montagem ou uma peça de reposição.

DEMANDA INDEPENDENTE (INDEPENDENT DEMAND)
A necessidade de um item não está relacionada com outros itens. Por exemplo, peças de um produto em lançamento, isto é, peças que não são baseadas em produtos instalados.

DEMANDA INTERFÁBRICAS (INTERPLANT DEMAND)
Necessidade de uma fábrica por uma produto ou peça que é produzida por outra fábrica ou divisão na mesma empresa. Apesar de não ser um pedido de cliente, geralmente é tratado pelo programa mestre de produção.

DEMANDA IRREGULAR (LUMPY DEMAND)
Entrada irregular de pedidos que causa picos e quedas na demanda da fábrica

DEMONSTRATED CAPACITY
veja CAPACIDADE DEMONSTRADA

DEMOUNTABLE CARGO CONTAINER
veja CONTENEDOR DESMONTÁVEL

DEMURRAGE (DEMURRAGE)
Adicional cobrado do expedidor ou consignado por exceder o tempo de uso permitido de determinado equipamento.

DENOMINAÇÃO DE MERCADORIAS (PROPER SHIPPING NAME)
Nome usado para descrever produtos específicos em todos os documentos e notificações de expedição e, se aplicável, nos produtos

DENSIDADE DE EMBALAGEM (PACKAGING DENSITY)
O numero de caixas por volume ocupado. Uma caixa pode envolver um ou vários produtos.

DEPENDÊNCIA DE ENTREGA (DELIVERY DEPENDABILITY)
Capacidade de cumprir datas e quantidades de entrega previstas de forma consistente.

DEPÓSITO (DE CONTÊINERES) (DEPOT)
Local designado para o transportador em que os contêineres vazios são mantidos em estoques e recebidos ou entregues a operadores ou expedidores.

DEPRECIAÇÃO DE ESTOQUE (INVENTORY WRITEOFF)
Dedução do valor do estoque na declaração financeira porque o inventário não é mais vendável ou devido a perdas. Apropriado quando o valor do estoque físico é inferior ao valor no livro fiscal.

DEPTH DF PENETRATION OF THE CUSTOMER ORDER
veja GRAU DE PENETRAÇÃO DOS PEDIDOS DE CLIENTES

DELIVERED EX QUAY - DEQ
Significa que o vendedor transfere os bens ao comprador quando os mesmos forem disponibilizados para esse último, sem ter acontecido o desembaraço de importação, no cais do porto de destino designado.

DES - DELIVERED EX SHIP
Significa que o vendedor transfere os bens no porto de destino mencionado, a bordo do navio, sem estarem descarregados e sem estarem desembaraçados para importação. O vendedor deve assumir todas as despesas e riscos relacionados com o transporte dos bens até o porto de destino antes de sua descarga nesse local.

DESCARGA (UNLOADING)
No transporte de importação, é a operação de transferência da mercadoria, desde o momento em que está suspensa da grua, paralelamente ao costado do navio, até que é depositada num determinado ponto do terminal.

DESCONSOLIDAÇÃO (DECONSOLIDATING)
Inverso de consolidação.

DESCONTO (REBATE)
Desconto legitimo para uma organização que efetua compra em consideração pela quantidade estipulada ou valor em espécie dentro de um tempo especifico.

DESIGN OF EXPERIMENTS- DOE
veja DELINEAMENTO DE EXPERIMENTOS

DESMONTAGEM (KNOCK-DOWN)
Quando os artigos são desmontados com o propósito de reduzir o espaço cúbico da expedição. chamamos o processo de desmontagem de expedição.

DESPACHANTE ADUANEIRO (BROKER)
Intermediário entre o expedidor e o transportador. O despachante aduaneiro viabiliza o transporte para os expedidores e representa transportadores.

DESPACHO (DISPATCH)
Atividade de carregamento que envolve controle. abastecimento de combustível, motoristas, equipamentos e espaços em terminais

DESPESAS DE EMBARQUE DO ARMADOR E DESEMBARQUE DO IMPORTADOR (LINEAR IN FREE OUT)
Condição de transporte que informa que as despesas de embarque correm por conta do armador e de desembarque por conta do importador.

DESVIO (DIVERSION)
Serviço de transporte que possibilita fazer alterações no destino ou consignatário de uma expedição em trânsito, com ou sem taxa adicional. Isso pode ser feito apenas mediante solicitação por parte do proprietário dos produtos.

DESVIO AUTORIZADO (AUTHORIZED DEVIATION)
Permissão para um fornecedor ou fábrica produzir um item que não apresenta conformidade com os desenhos e especificações aplicáveis.

DIAGRAMA PERT (PERT DIAGRAM)
Forma de visualizar as atividades como um fluxograma, em que as tarefas são representadas por linhas e as ligações (nós) correspondem a momentos definidos.

DIFERENCIAÇÃO (DIFFERENTIATION)
Capacidade de oferecer serviços logísticos diferentes dos oferecidos por outros operadores.

DIMENSIONAMENTO DINÂMICO DE LOTE (DYNAMIC LOT SIZING)
Qualquer técnica de dimensionamento de lote que cria uma quantidade de pedidos sujeita a recômputo contínuo.

DIRECT DELIVERY
veja ENTREGA DIRETA

DIRECT LOAD
veja CARGA DIRETA

DIRECT PRODUCT COST
veja CUSTO DIRETO DO PRODUTO

DIRECT PRODUCT PROFITABILITY
veja LUCRATIVIDADE DIRETA DO PRODUTO

DIRECT STORE DELIVERY
veja ENTREGA DIRETA A LOJA

DISCRETE MANUFACTURING
veja MANUFATURA DISCRETA

DISCRETE ORDER PICKING
veja SEPARAÇÃO DE PEDIDOS DISCRETA

DISPATCH LIST
veja LISTA DE DESPACHO

DISPATCHING
veja LIBERAÇÃO

DISPONÍVEL PARA PROMESSA (AVAILABLE-TO-PROMISE - ATP)
A parte não comprometida do estoque e da produção planejada de uma empresa mantida em um programa mestre para cobrir pedidos futuros dos clientes. A quantidade ATP (Available-To-Promise) em um primeiro período é um balanço do estoque não comprometido, e se calcula normalmente para cada período em que haja um recebimento programado no MPS (Master Production System - Plano Mestre de Produção). No primeiro período, o ATP é igual ao inventário físico menos os pedidos dos clientes em débito e já vencidos. Em qualquer período que contenha recepções programadas, o ATP é igual ao MPS menos os pedidos dos clientes deste mesmo período e dos períodos seguintes antes da próxima recepção programada.

DISPOSITIVO DE CARGA UNITIZADA (UNIT LOAD DEVICE)
Qualquer tipo de contêiner ou paleta em que uma remessa pode ser transportada.

DISPOSITIVO DE ELEVAÇÃO (SPREADER)
Dispositivo usado para reposição de contêineres e carga unitizada.

DISTRIBUIÇÃO (DISTRIBUTION)
Processo de alocar e transportar produtos para vários locais.
Parte da cadeia de abastecimento que e responsável pela movimentação de produtos entre cliente e fornecedor.

DISTRIBUIÇÃO ATRAVÉS DE FLUXO (FLOW-THROUGH DISTRIBUTION)
Um processo no qual os produtos vindos de múltiplas localizações são levadas para a planta central (às vezes chamadas de "cross-dock"). São realocados de acordo com o destino de entrega e transporte no mesmo dia. Isto elimina a estocagem e a movimentação. reduz o nível de estoques além da velocidade de resposta aos pedidos. O projeto, a locação e o gerenciamento do fluxo através da distribuição é frequentemente uma parte da estratégia de reestruturação logística de algumas empresas.

DISTRIBUIÇÃO BIMODAL (BIMODAL DISTRIBUTION)
É aquela que apresenta duas curvas. com duas modas diferentes. Isto ocorre quando estão presentes duas populações diferentes, tais cromo diferentes setores, máquinas, operadores, e outras.

DISTRIBUIÇÃO COMPARTILHADA (SHARED DISTRIBUTION)
Plano que permite que duas ou mais empresas compartilhem o armazém ou transporte para reduzir os custos totais ou para realizar economias de escala.

DISTRIBUIÇÃO DE ERROS DE PREVISÃO (DISTRIBUTION OF FORECAST ERRORS)
Uma estimativa é feita para se obter quais são os erros que acompanham uma distribuição normal. Estes erros são traçados em conseqüência da freqüência e servem para se fazer um estudo de tendências e normalidades.

DISTRIBUIÇÃO EXPONENCIAL (EXPONENTIAL DISTRIBUTION)
Distribuição continua de probabilidades em que a probabilidade de ocorrências aumenta ou diminui constantemente. O caso de aumento constante (distribuição exponencial positiva) é usado para modelar fenômenos como nível de atendimento ao cliente versus custo. O caso de diminuição constante (distribuição exponencial negativa) é usado para modelar fenômenos como valor dado a qualquer período de tempo da demanda no ajuste exponencial.

DISTRIBUIÇÃO FÍSICA (PHYSICAL DISTRIBUTION)
Atividades relacionadas ao fluxo de produtos da conversão ao cliente final. Parte da logística empresarial que corresponde ao conjunto das operações associadas à transferência dos bens objeto de uma transação, desde o local de sua produção até o local designado no destino, e ao fluxo de informações associado. A distribuição física deve garantir que os bens cheguem ao destino em boas condições comerciais, oportunamente e a preços competitivos. Estas atividades incluem o fretamento do transporte, armazenagem, movimentação de materiais, empacotamento de proteção, e controle de estoque.

DISTRIBUIÇÃO NORMAL (NORMAL DISTRIBUTION)
Distribuição estatística específica em que a maioria das observações enquadram-se próximas à média e um desvio da média pode ser maior ou menor. Expressa graficamente, a distribuição normal se apresenta como uma curva em forma de sino.

DISTRIBUIÇÃO RESPONSIVA (RESPONSIVE DISTRIBUTION)
Distribuição de produtos com características de responsividade.

DISTRIBUIÇÃO REVERSA (REVERSE DISTRIBUTION)
Processo pelo qual uma empresa coleta seus produtos usados, danificados ou ultrapassados e/ou embalagem de usuários finais, também conhecido como logística reversa.

DISTRIBUIDOR (DISTRIBUTOR)
Um terceiro responsável pela distribuição dos produtos manufaturados.

DISTRIBUTION CHANNELS
veja CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUTION LOGISTICS
veja LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUTION MODELLING
veja MODELAGEM DE DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUTION NETWORK STRUCTURE
veja ESTRUTURA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

DISTRIBUTION OF FORECAST ERRORS
veja DISTRIBUIÇÃO DE ERROS DE PREVISÃO

DISTRIBUTION PLANNING
veja PLANEJAMENTO DE DISTRIBUIÇÃO

DIVERSIFICATION STRATEGY
veja ESTRATÉGIA DE DIVERSIFICAÇÃO

DIVISÃO MODAL (MODAL SPLIT)
O uso relativo que as companhias fazem dos modos de transporte; as estatísticas incluem quilometragem por toneladas, distância por passageiros, e rendimento dos equipamentos.

DOCAS (DOCKS)
Interface entre a expedição e os transportes com a finalidade de facilitar o carregamento e descarregamento de mercadorias.

DOCK RECEIPT
veja RECIBO DE DOCA

DOCUMENTAÇÃO ADICIONAL DE PRODUTO (ADDITIONAL PRODUCT DOCUMENTATION - APO)
Toda e documentação formal relacionada aos produtos ou parte dele com exceção de normas e documentos técnicos de produtos. Por exemplo: relatórios da qualidade, cálculos de preço.

DOCUMENTO DE TRANSPORTE COMBINADO (COMBINED TRANSPORT DOCUMENT -CTD)
Documento negociável ou não que evidencia um contrato de desempenho e/ou aquisição de desempenho de transporte combinado de produtos.

DOE -DESIGN OF EXPERIMENTS
veja DELINEAMENTO DE EXPERIMENTOS

DOLLY
veja ROMEU E JULIETA

DOOR TO DOOR FREIGHT
veja FRETE DE PORTA A PORTA

DOUBLE DEEP RACKING
veja ESTRUTURA PORTA PALETES DE DUPLA PROFUNDIDADE

DOUBLE ORDER POINT SYSTEM
veja SISTEMA COM DOIS PONTOS DE PEDIDO

DOWNSTREAM OPERATION
veja OPERAÇÃO DESCENDENTE

DRAWBACK
Restituição de imposto alfandegário ou aduaneiro que é pago na importação que mais tarde serão exportados.

DRAYAGE
O transporte local do frete. O termo é usado para descrever transportes a distâncias mais longas, mas geralmente em um contexto intermodal. Por exemplo, o termo se aplicaria a um contêiner transportado de um terminal ferroviário ou navio para seu destino final ou vice-versa.

DRIVE-IN RACK
veja ESTRUTURA PORTA-PALETES DRIVE-IN

DRIVEWAY INSTALLATION
veja INSTALAÇÃO DE ROLAMENTO

DRP II- DISTRIBUTION RESOURCE PLANNING
veja PLANEJAMENTO DOS RECURSOS DE DISTRIBUIÇÃO

DRP-DISTRIBUTION REGUIREMENT PLANNING
veja PLANEJAMENTO DAS NECESSIDADES DA DISTRIBUIÇÃO

DRUM-BUFFER-ROPE
veja TAMBOR-PULMÃO-CORDA

DUN - DISTRIBUITION UNIT NUMBER
veja CÓDIGO DE UNIDADE DE DISTRIBUIÇÃO

DUNNAGE
veja SEPARADORES

DYNAMIC BUFFERING
veja PULMÃO DINÂMICO

DYNAMIC LOT SIZING
veja DIMENSIONAMENTO DINÃMICO DE LOTE

DYNAMIC PROGRAMMING
veja PROGRAMAÇÃO DINÃMICA

 

Fonte autorizada:
Sindiex - Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo