GLOSSÁRIO LOGÍSTICO (E)

| A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |

EAN - EUROPEAN ARTICLE NUMBERING
Sistema europeu de codificação que foi projetado para ser compatível com o sistema UPC em uso nos Estados Unidos.

E-BUSINESS
veja NEGÓCIO ELETRÔNICO

E-COMMERCE
veja COMÉRCIO ELETRÔNICO

E-PROCUREMENT
Modelo de suprimentos baseado em Web. São sistemas que automatizam o processo de busca de parceiros e concorrências para a compra de materiais produtivos (que serão usados diretamente no produto final da empresa, como peças de um carro) e não-produtivos (dos quais a empresa precisa para funcionar, como material de escritório)

E-SUPPLY CHAIN
veja CADEIA DE ABASTECIMENTO ELETRÔNICO

ECHELON CHANNEL
veja CANAL ESCALONADO

ECONOMIA DE ESCALA (ECONOMY OF SCALE)
Fenómeno de redução do custo unitário em decorrência da produção em grande escala, que gera uma distribuição dos custos fixos sobre uma quantidade maior de unidades.

ECONOMIC LIFE
veja VIDA ECONÔMICA

ECONOMIC ORDER GUANTITY - EOG
veja LOTE ECONÔMICO

ECONOMIC TRADE-OFF
veja COMPENSAÇÃO ECONÔMICA

ECR - EFFICIENT CONSUMER RESPONSE
veja RESPOSTA EFICIENTE AO CONSUMIDOR

EDI - ELETRONIC DATA INTERCHANGE
veja INTERCÃMBIO ELETRÔNICO DE DADOS

EFEITO DE AMPLIFICAÇÃO (AMPLIFICATION EFFECT)
Efeito que se dá em toda a cadeia organizacional devido a flutuações na demanda que surgem no final da cadeia (consumidor), sentidas com maior intensidade no início da cadeia (fornecedores de matéria-prima). Este efeito é causado pelo fato de em cada uma das cadeias intermediárias a mudança ser intensificada como resultado de ajuste nos estoques em relação à alteração de informações sobre mudanças no final na cadela como uma grande influência no efeito de amplificação.

EFETIVIDADE DE UM NEGÓCIO COM O CLIENTE (CUSTOMER DEAL EFFECTIVENESS)
Uma rede incremental que é gerada através da divisão de um negócio com o cliente pelos custos totais do negócio, incluindo desenvolvimento do negócio. distribuição, e custo do capital associado com os estoques incrementais recebidos, somando-se a isso o desdobramento dos custos incorridos, para que ocorra a execução do negócio.

EFICIÊNCIA (EFFICIENCY)
Medida percentual do resultado real frente ao resultado esperado. A eficiência mede o resultado frente às expectativas, não o resultado frente aos recursos. ou seja, eficiência é o índice de unidades produzidas frente a produção esperada em um determinado período.

ELECTRONIC DATA PROCESSING
veja PROCESSAMENTO ELETRÓNICO DE DADOS

ELECTRONIC FUNDSTRANSFER
veja TRANSFERÉNCIA ELETRÔNICA DE FUNDOS

ELECTRONIC PERFORMANCE SUPPORT SYSTEM
veja SISTEMA ELETRÔNICO DE SUPORTE AO DESEMPENHO

EMBALAGEM (PACKAGE)
Envoltório apropriado, aplicado diretamente ao produto para sua proteção e preservação.

EMBALAGEM DE APRESENTAÇÃO (WINDOW PACKAGE)
Embalagem que envolve a embalagem de contenção, e com a qual o produto se apresenta ao usuário no ponto de venda.

EMBALAGEM DE COMERCIALIZAÇÃO (TRADE PACKAGE)
Embalagem que contém um múltiplo da embalagem de apresentação, constitui a unidade para a extração de pedido, e, por sua vez, é um sub-múltiplo da embalagem de movimentação.

EMBALAGEM DE CONTENÇÃO (CONTACTING PACKAGE)
Embalagem em contato direto com o produto e, portanto, tendo que haver compatibilidade entre os materiais do produto e da embalagem.

EMBALAGEM DE MOVIMENTAÇÃO (HANDLING PACKAGE)
Múltiplo da embalagem de comercialização para ser movimentada racionalmente por equipamentos mecânicos.

EMBALAGEM DE QUINTO NÍVEL (FIFTH PACK)
E a unidade conteinerizada ou as embalagens especiais para envio a longa distância.

EMBALAGEM EXTERNA (OVERPACK)
Usada por um único expedidor para envolver uma ou mais embalagens e formar uma unidade para maior conveniência de manuseio e estocagem.

EMBALAGEM PRIMARIA (FIRST RACK)
É aquela que contém o produto (vidro, lata, plástico, etc) sendo a medida de produção e de consumo. Também pode ser a unidade de venda no varejo.

EMBALAGEM OUARTENÁRIA (FORTH PACK)
Envolve o contenedor, que facilita a movimentação e a estocagem.

EMBALAGEM SECUNDÁRIA (SECOND PACK)
É o acondicionamento (contenedor) que protege a embalagem primária. Por exemplo, urna bandeja de cartão com filme termo encolhível.

EMBALAGEM TERCIÁRIA (THIRD PACK)
É o caso das caixas de madeira, papelão, plástico ou outro material. A combinação da embalagem primária e secundária acaba sendo a medida de venda ao atacadista.

EMBALAGEM TERMORETRÁTIL (SHRINK WRAPPING)
Tratamento térmico que encolhe um envólucro de polipropileno ou filme semelhante em torra de várias unidades, formando uma única unidade.

EMBALAGEM ULTRAMARINA (OVERSEAS PACK)
Contéiner projetado para suportar a movimentação inerente ao transporte, armazenagem e distribuição transoceânica.

EMBALAGENS MÚLTIPLAS (MULTIPACK)
Embalagem de transporte contendo embalagens de comercialização mistas para entrega de pedido a um cliente.

EMBARCAÇÃO DE TRANSPORTE OCASIONAL (TRAMP)
Embarcação sem programação fixa, mas que atende as necessidades de qualquer porto em que houver carga disponível.

EMBARCADOR (LOAD OWNER)
Parte que embarca a carga, conforme mencionado no conhecimento de transporte.

EMISSÃO PLANEJADA (PLANNED ISSUE)
Emissão de um item previsto pelo MRP através da criação de uma alocação ou necessidade bruta.

EMPILHADEIRA (FORK LIFT TRUCK)
Equipamento destinado a empilhar e mover carga em armazéns, parques ferroviários, portos etc.

EMPILHADEIRA PARA SEPARAÇÃO DE PEDIDOS (ORDER PICKING LIFT TRUCK)
Veículo industrial operado manualmente, equipado com uma plataforma de carga e uma plataforma de controle do operador móvel como um todo no mastro.

EMPODERAMENTO (EMPOWERMENT)
Um processo de transferir autonomia para que os funcionários de uma empresa aumentem seu domínio de competência na busca de melhores resultados.

EMPRESA VIRTUAL (VIRTUAL ENTERPRISE)
Um grupo de empresas organizadas para encontrar uma oportunidade de negócio, como se fossem uma única empresa, com um objetivo comum.

ENDING INVENTORY
veja INVENTÁRIO FINAL

ENDOSSO (ENDORSEMENT)
Transferência do direito de obtenção da entrega dos produtos do transportador por mero da assinatura do destinatário atrás de um conhecimento de embarque. Se não constar o nome do novo destinatário, o endosso será aberto, o que significa que qualquer um que estiver de posse do documento pode receber os produtos.

ENGINEER-TO-ORDER
veja PROJETO E FABRICAÇÃO CONFORME PEDIDO

ENDUIRY
veja SOLICITAÇÃO DE OFERTA (EM COMPRAS)

ENTREGA A TEMPO (ON-TIME DELIVERY)
Entrega de material ou produto 100% das vezes a tempo. A tempo significa que entregas adiantadas ou atrasadas não são aceitáveis.

ENTREGA DIRETA À LOJA (DIRECT STORE DELIVERY)
Um método de entrega de mercadoria diretamente ao varejista através de uma salda nas instalações do armazém que se destina ao varejo.

ENTREGA DIRETA (DIRECT DELIVERY)
Transporte de produtos diretamente do vendedor ao comprador. Freqüentemente usado se uma empresa de terceira parte funcionando como intermediária entre ambos.

ENTREGA FRACIONADA (SPLIT DELIVERY)
Método pelo qual uma grande quantidade é solicitada em uma ordem de compra para garantir um preço inferior mas a entrega é dividida em lotes de quantidades menores e entregue em datas diferentes para controlar os níveis de estoque, economizar espaço em armazém, etc.

ENTREGA PARCIAL (PART DELIVERY)
Entrega de uma parte da quantidade total de produtos que devem ser entregues a um cliente em uma data específica de entrega.

ENTREGUE COM TAXAS PAGAS (DELIVERED DUTY PAID- DDP)
Significa que o vendedor transfere os bens ao comprador, já desembaraçados, no pais importador, porém sem serem descarregados de qualquer meio de transporte no focal de destino mencionado. O vendedor tem que assumir os custos e riscos até a chegada dos bens no local de destino mencionado, incluindo, quando for aplicável, qualquer tributo (cuja definição abrange a responsabilidade e o risco pela realização das formalidades aduaneiras e o pagamento dessas formalidades, tributos aduaneiros, taxas e qualquer outra despesa) necessário para a importação no pais de destino. DDP representa a máxima obrigação para o vendedor.

ENTREGUE NA FRONTEIRA (DELIVERED AT FRONTIER - DAF)
Significa que o vendedor entrega ou transfere os bens quando os mesmos forem disponibilizados para o comprador na chegada do meio de transporte combinado, já desembarcados, no ponto e local indicados na fronteira (do pais de exportação) e antes da fronteira alfandegária do país limítrofe, ficando a cargo do comprador o desembaraço para importação. O termo fronteira deve ser usado para qualquer fronteira, incluindo nesse conceito o pais exportador. Assim sendo, será de vital importância que a fronteira em questão seja definida de forma precisa, indicando sempre o ponto e local.

ENTREGUE SEM TAXAS PAGAS (DELIVERED DUTY UNPAID - DDU)
Significa que o vendedor transfere os bens ao comprador, sem estarem desembaraçados para importação, no pais importador e sem serem descarregados de qualquer meio de transporte utilizado até o local de destino mencionado. O vendedor deve assumir os custos e riscos até a chegada dos bens no local de destino designado. Os tributos devem ser assumidos pelo comprador, assim como qualquer despesa e risco causados por ele ter falhado no instante de liberar os bens comprados.

ENVOLTÓRIO (WRAPPER)
Material que envolve produtos na operação de embalagem ou acondicionamento.

EOM - ELECTRIC OVERHEAD MONORAIL
veja MONOTROLE AÉREO ELETRIFICADO

EOQ - ECONOMIC ORDER OUANTITY
veja LOTE ECONÓMICO

EOUALIZAÇÃO DE FRETE (FREIGHT EOUALIZATION)
Prática adotada por fornecedores mais distantes para absorverem as cobranças adicionais de frete para corresponder às cobranças de frete de um fornecedor geografrcamente mais próximo do cliente. Isso é feito para eliminar a vantagem de cobranças de frete inferiores que são oferecidas por fornecedores mais próximos do cliente.

EQUILÍBRIO (EM TRANSPORTE) (BALANCE)
Fluxo de tráfego de igual porte em duas direções. O ideal é que um veiculo carregado enviado do ponto de partida original ao destino retornasse totalmente carregado.

ER-EFFICIENT REPLENISHMENT
veja REABASTECIMENTO EFICIENTE

ERGONOMIA (ERGONOMICS)
Enfoque utilizado para o projeto do posto de trabalho que se centra nas interações que ocorrem entre operadores e o meio no qual eles atuam, como contaminantes atmosféricos, calor, luz. ruídos sonoros e todas as ferramentas e equipamentos do posto de trabalho.

ERP - ENTERPRISE RESOURCE PLANNING
Veja PLANEJAMENTO DOS RECURSOS EMPRESARIAIS

ESCRITÓRIO SATÉLITE (SATELITE OFFICE)
Estação de encaminhamento de frete que oferece serviços de importação e exportação para um cliente que opera através de um escritório móvel ou ponto de transferência de mercadorias.

ESPAÇO CÚBICO PERMITIDO (ATTAINABLE CUBIC FEET - ACF)
O espaço permitido por orientações, regulamentações e restrições de segurança com o equipamento disponível. ACF = Área de Estocagem x Altura de Empilhamento.

ESPECIFICAÇÃO DE SIMBOLOGIA UNIFORME (UNIFORME SYMBOLOGY SPECIFICATION)
Qualquer uma das especificações publicadas por fabricantes de identificação automática para codificação, impressão e verificação dos símbolos dos códigos de barras para fornecer padrões comuns para usuários em diferentes aplicações.

ESTABILIZAÇÃO DE CARGAS (LOAD TRIMMING)
No trabalho de análise de carga, considera-se os aspectos relacionados á existência de planos de clivagem das embalagens, que exigirão o uso de dispositivos de estabilização de carga, para que os movimentos, sejam executados com segurança.

ESTAÇÃO DE CONTÉINERES (CONTAINER FREIGHT STATION)
Depósito em que a carga de exportação é recebida para acomodação em contéineres ou em que a carga é retirada de contéineres e entregue a comerciantes.

ESTIVA (STOWAGE)
Movimentação da mercadoria desde o momento em que está suspensa paralelamente ao costado do navio até que esteja definitivamente armazenada a bordo do mesmo, de forma que não possa sofrer deslocações, danos ou deteriorações, ocupando o menor espaço possível e colocada de maneira que a sua posterior manipulação seja simples de efetuar.

ESTOCAGEM (STORAGE)
E uma das atividades do fluxo de materiais no armazém e o local destinado á locação estática dos materiais. Dentro de um armazém podem existir vários locais de estocagem. O estoque é uma parte da armazenagem.

ESTOCAGEM A GRANEL (BULK STORAGE)
Estocagem em grande escala de matérias-primas, componentes intermediários e produtos acabados. Cada contenedor normalmente contém uma mescla de lotes e materiais que podem ser reaprovisionados, consumidos, ou empacotados simultaneamente.

ESTOCAGEM EM LOCAL ALEATÓRIO (RANDOM-LOCATION STORAGE)
Técnica de estocagem em que as peças são colocadas em qualquer espaço que estiver vazio quando chegam ao local de estocagem. Apesar deste método randômico necessitar do uso de um arquivo localizador para identificar a localização dos itens, geralmente exige menor espaço de estocagem do que um método para estocagem em local fixo.

ESTOCAGEM EM LOCAL FIXO (FIXED LOCATION STORAGE)
Designação de um local relativamente permanente para estocagem de cada item em um armazém ou instalação com esta finalidade. Enquanto este sistema requer mais espaço para armazenar peças do que o sistema de estocagem em local aleatório, as localidades lixas tornam-se familiares e neste caso não é preciso um localizador.

ESTOQUE AGREGADO (AGGREGATED STOCK)
Estoque de qualquer grupo de itens ou produtos que envolve várias SKUs.

ESTOQUE DE ABASTECIMENTO ALTERNATIVO (ALTERNATE FEEDSTOCK)
Abastecimento alternativo (backup) de determinado item para funcionar como substituto ou a ser usado com equipamento alternativo.

ESTOQUE DE ANTECIPAÇÃO (ANTICIPATION INVENTORY)
Estoque formado para nivelar as flutuações previsíveis na demanda, entrega ou produção de um item específico.

ESTOQUE DE MATERIAL EM PROCESSO (WORK IN PROCESS STOCK)
Itens de terceiros ou itens internos que estão sendo processados, mas que ainda não é um produto acabado. O termo estoque diferencia o material em progresso do estoque de material em processo. O último identifica o lato de que os materiais permanecem ociosos, como estoque, não sendo agregado nenhum valor.

ESTOQUE DE MOVIMENTAÇÃO LENTA (SLOW MOVING STOCK)
Estoques de materiais ou produtos que apresentam padrão de vendas lento e irregular.

ESTOQUE DE PROTEÇÃO (HEDGE INVENTORY)
Tipo de estoque mantido para funcionar como pulmão contra algum evento que pode não ocorrer. O planejamento de estoque de proteção envolve especulação relacionada a greves, aumento de preços, questões governamentais não solucionadas e eventos que podem afetar drasticamente as iniciativas estratégicas da empresa Os riscos e conseqüências geralmente são elevados e geralmente é preciso aprovação da afta direção.

ESTOQUE DE SEGURANÇA (SAFETY STOCK)
Estoque que serve como uma compensação para a quantia desejada nas diferenças entre o consumo previsto e o consumo real e entre os tempos de entrega esperado e real. Ao calcular o estoque de segurança, é preciso considerar fatores cromo nível de serviço, flutuações esperadas na demanda e prazos.

ESTOQUE DE TRANSPORTE (TRANSPORTATION INVENTORY)
Estoque em trânsito entre as localidades.

ESTOQUE EM CONSIGNAÇÃO (CONSIGNMENT STOCK)
Estoque de produtos com um cliente externo que ainda é propriedade do fornecedor. O pagamento por estes produtos só é feito quando eles são utilizados pelo cliente.

ESTOQUE EM MOVIMENTO (MOVEMENT INVENTORY)
Tipo de estoque em processo que surge devido ao tempo necessário para mover os produtos de um lugar para outro.

ESTOQUE EM TRÁNSITO (INTRANSIT STORE)
Material em movimento entre duas ou mais localidades, que geralmente encontram-se geograficamente separadas; por exemplo, produtos acabados sendo expedidos de uma fábrica para um centro de distribuição.

ESTOQUE FINAL (ALL-TIME INVENTORY)
Estoque formado em vista do fato do produto não ser mais produzido. Se necessário, este estoque pode ser incorporado ao estoque bloqueado para evitar entregas incidentais e/ou consumo para o qual não estaria reservado

ESTOQUE FLUTUANTE (FLUCTUATION INVENTORY)
Um estoque que é utilizado para dar cobertura ao atendimento ás exigências inesperadas e manter os níveis adequados para atendera produção.

ESTOQUE FOCADO (SPOT INVENTORY)
Método de contagem de estoque no qual somente um grupo especifico de itens é contado.

ESTOQUE INATIVO (INACTIVE INVENTORY)
Itens obsoletos. que não foram usados ou vendidos em determinado período de tempo. O tempo varia conforme os produtos envolvidos.

ESTOQUE INTERMEDIÁRIO (INTERMEDIATE STOCK)
Estoque que serve para compensar as disparidades na velocidade de operações sucessivas no processo de produção e as diferenças na sequência que os produtos são manuseados em cada operação. O estoque intermediário é formado entre várias fases de produção em uma empresa. Pode ter a função do estoque de segurança.

ESTOQUE NO CANAL (PIPELINE STOCK)
Estoque para cobrir o canal de transporte e o sistema de distribuição, incluindo o fluxo entre pontos de armazenagem intermediária. O tempo de fluxo na distribuição tem o efeito principal na quantidade de estoque necessário na rede. Os fatores de tempo incluem transmissão, processamento, envio, transporte, recepção, estocagem, etc.

ESTOQUE OBSOLETO (OBSOLETE STOCK)
Estoque que não pode ser ou que provavelmente não será consumido em processos futuros de produção ou vendido da maneira usual.

ESTOQUE PERIÓDICO (PERIODIC INVENTORY)
Estoque físico adotado a intervalos recorrentes, por exemplo, mensal, trimestral ou anual.

ESTOQUE PROJETADO DISPONÍVEL (PROJECTED ON HAND)
Em MRP, saldo de estoque projetado. É a soma de estoque disponível menos as necessidades, mais os recebimentos programados (saldo disponível projetado menos pedidos planejados).

ESTOQUE PULMÃO (BUFFER INVENTORY)
Quantidade de materiais que aguarda processamento Pode referir-se a matéria-prima, produtos semi-acabados ou uma pendência propositalmente mantida antes do centro de trabalho.

ESTOQUE RESERVA (RESERVE STOCK)
Veja Estoque de Segurança

ESTOQUE SAZONAL (SEASONAL INVENTORY)
Estoque formado antecipadamente para uma época de pico. a fim de regularizar a produção e consumo.

ESTOQUES CONSIGNADOS (CONSIGNED STOCKS)
Estoques, geralmente de produtos acabados, que estão em posse dos clientes, distribuidores, agentes, etc., cuja propriedade continua sendo do fabricante por acordo entre eles.

ESTOQUES DE PEDIDOS (ON-ORDER STOCK)
Total de todos os pedidos de reabastecimento pendentes. O saldo de pedidos aumenta quanto um novo pedido é liberado e diminui quando se recebe materiais frente a um pedido ou quando um pedido é cancelado.

ESTOQUES EM PISO-DE-FÁBRICA (FLOOR STOCKS)
Estoques de peças baratas de produção que são mantidas na fábrica que os funcionários da produção podem usar sem efetuar requisição.

ESTRADO PARA CARGA AÉREA (FLIGHT LOAD SKIDS)
Estrado de alumínio medindo 230 cm x 270 cm, combinado com uma rede ou capa de material plástico para carregamento rápido de aeronaves.

ESTRADOS (SKIDS)
Peças usadas sob estruturas, caixas ou embalagens para elevá-las do solo e permitir fácil acesso para empilhadeiras ou outros equipamentos de movimentação.

ESTRATÉGIA DE CAPACIDADE (CAPACITY STRATEGY)
Uma das ações estratégicas que uma empresa deve adotar como parte de sua estratégia de fabricação.
Existem três estratégias de capacidade que são comumente conhecidas: antecipada. postergada e de acompanhamento. A estratégia de capacidade antecipada se transmite na antecipação do aumento da demanda. A estratégia postergada se refere à capacidade sobre a qual a empresa está operando, ou sobre a capacidade total. Estas duas estratégias podem ser combinadas e são chamadas de estratégia de gestão. A estratégia de acompanhamento se transmite em eliminar a capacidade para as pequenas quantidades, em um intento de responder a uma demanda mutante do mercado. Esta estratégia também é conhecida como "estratégia de equilíbrio".

ESTRATÉGIA DE DIVERSIFICAÇÃO (DIVERSIFICATION STRATEGY)
Expansão do escopo da linha de produto para explorar novos mercados. Um objetivo central da estratégia de diversificação é distribuir o risco da empresa em várias linhas de produtos no caso de haver uma grande mudança no mercado de um dos produtos.

ESTRATÉGIA DE MANUFATURA (MANUFACTURING STRATEG)
Padrão coletivo de decisões que agem após formulação e desdobramento de recursos de manufatura. Para ser mais eficaz, a estratégia de manufatura deve apoiar a direção estratégica geral da empresa e fornecer vantagem competitiva

ESTRUTURA BÁSICA DE FLUXO DE PRODUTOS (BASIC STRUCTURE OF GOODS FLOW)
Forma típica em que os produtos e mercadorias são movimentadas por unidades diferentes de uma organização de fornecedor para cliente. Pode-se representar graficamente para melhor visualização e análise das "linhas de ruptura" no (luxo de produtos, pontos de estoque. recursos compartilhados com outras combinações de mercado/produto e penetração dos pedidos dos clientes.

ESTRUTURA DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO (DISTRIBUTION NETWORK STRUCTURE)
Os canais planejados de distribuição de estoque de uma ou mais fontes para centros de distribuição ou armazéns. Um ou mais níveis podem compor a rede.

ESTRUTURA DE ROTA DE CANAIS (CHANNEL ROUTE STRUCTURE)
Uma rota fixa com várias paradas às quais os equipamentos se movimentam.

ESTRUTURA PORTA-PALETES (RACK)
Sistema estruturado de estocagem (de nível único ou múltiplo), usado para suportar empilhamento de bens ou cargas paletizadas.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DINÁMICA (FLOW RACK)
Estruturas metálicas dotadas de roletas ou rodízios que permitem que um produto sela movido de uma parte para outra da estrutura. Usado na separação de pedidos de pequena quantidade, estas estruturas podem agilizar o processo.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DRIVE-IN (DRIVE-IN RACK)
Estrutura de estocagem com vigas laterais para permitir um empilhamento elevado em fileiras profundas, contribuindo assim. para um maior aproveitamento do espaço. Diferentemente dos porta-paletes drive-through, oferece acesso somente por um corredor.

ESTRUTURA PORTA-PALETES DUPLA PROFUNDIDADE (DOUBLE DEEP RACKING)
Estrutura porta-paletes que comporta dois paletes em profundidade, permitindo dessa forma a redução do numero de corredores. Entretanto, requer o uso de empilhadeiras pantográficas. Além disso, selecionar e separar acaba sendo um processo bem mais demorado do que no caso de paleta de única profundidade.

ESTRUTURA PORTA-PALETES PUSH BACK (PUSH BACK RACK)
Um sistema de estocagem que permite uma utilização profunda de cada nível do porta paleta. Os paletes são colocados e retirados do mesmo lado da estrutura. Dispositivos permitem que os paletes recuem ao se colocar um outro na frente destes. Ao removermos um paleta, o paleta de traz vem para afrente da estrutura.

ESTRUTURA TIPO CANTILEVER (CANTILEVER RACK)
O membro inferior de uma estrutura em contato com o solo que está geralmente fixado a uma coluna. Pode também ser fixado ao solo e usado como um braço de apoio de carga. Nas prateleiras livres, a base usualmente se estende além do comprimento do braço.

ESTUFAR/OVAR (STOWAGE)
Colocação e proteção de carga em contéineres ou em um meio de transporta.

EUROPEAN ARTICLE NUMBERING - EAN
veja NUMERAÇÃO EUROPÉIA DE ARTIGOS

EVERGREEN PRODUCT
veja PRODUTO COM DEMANDA DURADOURA

EWS-EARLY WARNING SYSTEM
veja SISTEMA DE ADVERTÊNCIA ANTECIPADA

EXCEDENTE OU DEFICIÊNCIA (SURPLUS OR SHORTAGE)
Quantidade de produtos que é a diferença entre a quantidade necessária e a quantidade acordada. Se esta diferença for positiva é um surplus (excedente), e se for negativa, é um shortage (deficiência).

EXCESS INVENTORY
veja INVENTÁRIO EXCEDENTE

EXCESSO DE PESO (TRANSPORTE AÉREO) (OVER PIVOT WEIGHT)
Peso excedente do peso global aceitável.

EXEMPT CARRIER
veja TRANSPORTADOR ISENTO

EXPEDIÇÃO (SHIPPING)
Função que oferece instalações para a expedição de peças, produtos e componentes. Inclui embalagem, identificação, pesagem e carregamento de veículo para transporte,

EXPEDIÇÃO DE PEDIDO (ORDER SHIPMENT)
Atividade que se dá do momento em que o pedido é colocado no veiculo até o pedido ser recebido, verificado e descarregado no destino do comprador.

EXPEDIÇÃO DE TRANSFERÊNCIA (HANDOVER SHIPMENT)
Expedição entregue por um agente de transportes de frete, mas que foi transferida a outro agente de transportes conforme estipulado pelo consignatário para liberação em alfândega e entrega, conforme incoterms.

EXPEDIDOR DE FRETE AÉREO (AIR FREIGHT FORWARDER)
Uma empresa que negocia baixas taxas com as companhias aéreas e as revende em pequenas quantidades para os transportadores.

EXPEDIDOR DE FRETE INTERNACIONAL (INTERNATIONAL FREIGHT FOR WARDER)
Expedidor de frete que manuseia os papéis e os consolidam para os exportadores, podendo ou não fazer a consolidação da carga.

EXPEDIDOR DE FRETE (FREIGHT FORWARDER)
Uma pessoa ou empresa que prepara, consolida, e desenvolve grandes carregamentos e operações de distribuição, assume as responsabilidades de transporte desde a origem até o destino.

EXPEDITE
veja AGILIZAR

EXPLOSÃO (EXPLOSION)
Análise de uma lista de materiais no total de cada um dos componentes necessários para fabricação de determinada quantidade mais elevada de montagem ou submontagem.

EXPONENTIAL DISTRIBUTION
veja DISTRIBUIÇÃO EXPONENCIAL

EXPRESSO (EXPRESS)
Pagamento aos clientes dos transportadores quando as expedições, carrinhos ou trailers são carregados ou descarregados em um tempo inferior ao permitido em contrato e devolvidos ao transportador.

EXTENSÃO PARA ENCOSTO DE CARGA (LOAD BACKREST EXTENSION)
Estrutura removível que se estende verticalmente na
estrutura do veículo de transporte para dar suporte e estabilidade para cargas excepcionalmente elevadas.

EXTRANET
Uma extensão de uma Intranet usando tecnologias de grupo para compartilhar dados, informações e conhecimento através de uma cadeia de abastecimento, incluindo fornecedores e clientes.

EXW - EX WORKS
Significa que o vendedor faz a entrega ou coloca os bens à disposição do comprador nas suas próprias instalações ou em outro local, sem desembaraçar os bens para a exportação e sem estarem carregados em nenhum meio de transporte, sendo o comprador responsável por todos os custos e riscos a partir deste momento. EXW representa a mínima obrigação para o vendedor.

 

Fonte autorizada:
Sindiex - Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo