GLOSSÁRIO LOGÍSTICO (L)

| A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z |

LAC - LOGISTIC ACTIVITIES CENTRES
veja ZONA DE ATIVIDADES LOGÍSTICAS-ZAL

LACRE (EM TRANSPORTE) (SEAL)
Dispositivo usado para contêineres. caminhões para provar que eles mantiveram-se fechados durante o transporte.

LANDBRIDGE
veja PONTE TERRESTRE

LAYOUT DE BLOCOS (BLOCK PLAN)
No planejamento de instalações, um plano de desenvolvimento que começa com blocos designados para cada função ou área entre as unidades de processamento.

LAYOUT FUNCIONAL (FUNCTIONAL LAYOUT)
Configurações de instalações nas quais as operações de natureza similares são agrupadas. Estrutura organizacional baseada na especialidade departamental (ex.: serras, tornos, tratamentos térmicos e prensas).

LAYOUT
veja ARRANJO FÍSICO

LCL-LESS THAN CARLOAD
veja CARGA INFERIOR A UMA CARRETA

LD-LOGISTICS DATA INTERCHANGE
veja INTERCÃMBID DE DADOS LOGÍSTICOS

LEAD LOGISTICS
veja LIDER LOGÍSTICO

LEAD TIME
Tempo computado entre o inicio da primeira atividade até conclusão da última, em uma série de atividades.

LEAD TIME DE AQUISIÇÃO (PROCUREMENT LEAD TIME)
O tempo necessário para projetar um produto, modificar ou determinar equipamento, efetuar pesquisa de mercado e obter todos os materiais necessários. O lead time começa quando tomou-se uma decisão para aceitar um pedido para fabricação de um novo produto e termina quando a produção é Iniciada.

LEAD TIME DE CARREGAMENTO (LOADING LEAD TIME)
Período de tempo entre o momento em que a instrução de entrega pode ser executada e a data da fatura ou data real de expedição dos produtos. Nota: considera-se que a data de expedição coincida com a data da fatura.

LEAD TIME DE EXPEDIÇÃO (SHIPPING LEAD TIME)
O número de dias úteis necessários para os produtos percorrerem do ponto de recebimento ao ponto de expedição, mais tempo de aceitação, expresso em dias, no ponto de recebimento.

LEAD TIME DE FABRICAÇÃO (MANUFACTURING LEAD TIME)
Tempo total necessário para fabricar um item, excluindo o tempo de preparo ou compra dos níveis mais baixos. Estão incluídos os tempos de fabricação, preparação das máquinas, execução, movimentos, inspeção e retirada.

LEAD TIME TOTAL (TOTAL LEAD TIME)
É o tempo para que um serviço seja totalmente executado, desde sua solicitação até sua entrega.

LEAN MANUFATURING
veja MANUFATURA ENXUTA

LEAST SQUARE METHOD
veja MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS

LEILÃO REVERSO (REVERSE AUCTION)
Sistema de leilão em que o comprador anuncia o que pretende comprar e convida os fornecedores a apresentarem suas propostas para aquele tipo de produto. Vence quem tiver melhores condições de preço e prazo, colocadas sob sigilo

LESSOR
veja ARRENDADOR

LETTER DF CREDIT
veja CARTA DE CRÉDITO

LEVEL PLANT LOADING
veja CARREGAMENTO NIVELADO DA FÁBRICA

LGV - LASER GUIDED VEHICLE
veja SISTEMA DE VEÍCULOS GUIADOS AUTOMATICAMENTE (LASER)

LIBERAÇÃO (DISPATCHING)
Alocação detalhada e subsequente controle dos recursos de produção para pedidos de produção individuais necessários para conclusão dos pedidos de acordo com o programa de produção.

LIBERADO SEM INSPEÇÃO (CLEARED WITHOUT EXAMINATION-CWE)
Liberado pela alfândega sem ser inspecionado.

LIDER LOGÍSTICO (LEAD LOGISTICS)
Empresa capaz de prover ou assumir total responsabilidade por todas as funções da cadeia logística de um cliente.

LIFE CYCLE ANALYSIS
veja ANÁLISE DO CICLO DE VIDA

LIFE CYCLE COSTING
veja CUSTEIO DO CICLO DE VIDA

LIFO - LAST IN FIRST OUT
veja ULTIMO A ENTRAR, PRIMEIRO A SAIR

LIFT- ON LIFT-OFF VESSEL
veja NAVIO DE CARREGAMENTO VERTICAL

LIMITES DE SINALIZAÇÃO (SIGNALLING LIMITS)
Níveis predeterminados relacionados a uma variável especifica que funciona como um sinal se o valor da variável relevante exceder ou se não atingir estes níveis. O planejamento pode ser ajustado com base neste sinal.

LINE BALANCING
veja BALANCEAMENTO DE LINHA

LINEAR IN FREE OUT
veja DESPESAS DE EMBARQUE DO ARMADOR E DESEMBARQUE DO IMPORTADOR

LINHA DE MONTAGEM (FLOW SHOP)
Forma de organização da manufatura na qual partes diferentes de equipamentos estão localizadas contiguamente umas às outras, com base no que fazem para produzir.

LINK
veja CONEXÃO

LISTA DE DESPACHO (DISPATCH LIST)
Lista das ordens de manufatura em seqüência de prioridades. A lista de despacho geralmente é comunicada ao chão de fábrica via pedido por escrito ou painel e contém Informações detalhadas sobre prioridades, localização, ordem de manufatura por operação. As listas de despacho geralmente são geradas diariamente e dispostas por centro de trabalho.

LISTA DE EMBALAGEM (PACKING LIST)
A lista de embalagem mostra as mercadorias embaladas e suas peculiaridades. Geralmente uma cópia é enviada ao consignatário para auxiliar na verificação da expedição recebida.

LISTA DE EXPEDIÇÃO (SHIPPING LIST)
Relação do conteúdo de uma embalagem ou contenedor.

LISTA DE MATERIAIS (BILL OF MATERIAL - BOM)
Lista de todas as peças, submontagens e matérias-primas que constituem uma montagem especifica, identificando a quantidade necessária de cada item. Nota: A lista pode ou não ser estruturada para mostrar os níveis de montagem pertencentes a cada item da lista.

LISTA DE MATERIAIS DE MÚLTIPLOS NÍVEIS (MULTILEVEL BILL OF MATERIAL)
Lista de materiais que mostra todos os componentes direta ou indiretamente usados em uma montagem junto com a quantidade necessária de cada componente.

LISTA DE MATERIAIS DE NÍVEL ÚNICO (SINGLE-LEVEL BILL OF MATERIAL)
Apresentação dos componentes que estão diretamente usados em itens compostos. Mostra somente as relações um nível abaixo.

LISTA DE MATERIAIS FICTÍCIA (PHANTOM BILL OF MATERIAL)
Técnica de codificação e estruturação das listas de materiais utilizada principalmente para submontagens transitórias (não armazenados). Para o artigo transitório, fixa-se um prazo assim como a sua respectiva quantidade segundo a técnica "lote por lote", possibilitando que o MRP processe as reais necessidades através do artigo fictício, faça seus componentes, retendo sua capacidade de determinar as necessidades liquidas frente a existências ocasionais do artigo. Esta técnica também facilita o uso de lista de materiais comuns para a engenharia e fabricação.

LISTA DE MATERIAIS MODULAR (MODULAR BILL DF MATERIAL)
Lista de planejamento organizada por opções ou módulos de produtos. Geralmente usada em empresas em que o produto apresenta muitos opcionais, como por exemplo os fabricantes automobilísticos.

LISTA DE MATERIAIS REGENERADORA (BREEDER BILL DF MATERIAL)
Lista de materiais que reconhece e planeja a disponibilidade e uso de subprodutos no processo de manufatura. A lista regeneradora permite o MRP completo e custeio de produtos e subprodutos.

LISTA DE PEDIDOS A PRAZO FIXO (CALL-OFF LIST)
Relação dos pedidos a prazo fixo.

LISTA DE SEPARAÇÃO (PICKING LIST)
Documento que lista os materiais a serem separados para as ordens de manufatura e expedição.

LISTA DE TRABALHO (BILL OF LABOUR - BOL)
lista da capacidade necessária e recursos necessários para fabricação de uma unidade de determinado item ou família de itens. Frequentemente usado para prever o impado de um item na programação geral e utilização de recursos-chaves. O planejamento aproximado da capacidade usa estes dados para calcular as necessidades aproximadas de capacidade do programa mestre de produção e/ou plano de produção.

LOAD BACKREST EXTENSION
veja EXTENSÃO PARA ENCOSTO DE CARGA

LOAD FACTOR
veja FATOR DE OCUPAÇÃO DE CARGA

LOAD OWNER
veja EMBARCADOR

LOAD PLANNING
veja PLANEJAMENTO DE CARGA

LOAD PROFILE
veja PERFIL DE CARGA

LOAD TRIMMING
veja ESTABILIZAÇÃO DE CARGAS

LOADING LEAD TIME
veja LEAD TIME DE CARREGAMENTO

LOCATOR SYSTEM
veja SISTEMA DE LOCALIZAÇÃO DE ESTOQUES.

LOGÍSTICA (LOGISTICS)
É o processo de planejamento, implementação e controle do fluxo e armazenagem eficientes e de baixo custo de matérias-primas, estoque em processo, produto acabado e informações relacionadas, desde o ponto de origem até o ponto de consumo, com o objetivo de atender aos requisitos do cliente, em uma mesma organização. Em um contexto industrial, a arte e ciência de administração e engenharia para obter, produzir e distribuir materiais e produtos a um local especifico e em quantidades especificas. Em um sentido militar também pode significar o movimento de pessoal/ recursos.

LOGÍSTICA CONTRATADA (CONTRACT LOGISTICS)
E a contratação de terceiros a fim de que eles planejem, implementem e controlem a eficiência, o custo do fluxo e a armazenagem: da matéria prima, estoque em processo, produtos acabados além das informações relacionadas desde o ponto de origem até o ponto final, ou de qualquer outra parte que venha a informação.

LOGÍSTICA DE ABASTECIMENTO (PROVISION LOGISTICS)
Atividade que administra o transporte de materiais dos fornecedores para a empresa, descarregamento no recebimento, e armazenagem das matérias-primas e componentes. Estruturação da modulação de abastecimento, embalagem de materiais, administração do retorno das embalagens, e decisões sobre acordos no sistema de abastecimento da empresa.

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO (DISTRIBUTION LOGISTICS)
Administração do centro de distribuição, localização de unidades de movimentação nos seus endereços, abastecimento da área de separação de pedidos, controle da expedição, transporte de cargas entre fábricas e centros de distribuição e coordenação dos roteiros de transporte,

LOGÍSTICA DE MANUFATURA (MANUFACTURING LOGISTICS)
Atividade que administra a movimentação para abastecer os postos de conformação e montagem, segundo ordens e cronogramas estabelecidos pela programação da produção. Desova das peças conformadas como semi-acabados e componentes, e armazenagem nos almoxarifados de semi-acabados. Deslocamento dos produtos acabados no final das linhas de montagem, para os armazéns de produtos acabados.

LOGÍSTICA DE SUPRIMENTOS (INBOUND LOGISTICS)
Parte da logística empresarial que corresponde ao conjunto de operações associadas ao fluxo de materiais e informações, desde a fonte de matérias-primas até a entrada da fábrica.

LOGÍSTICA TERCEIRIZADA (THIRD-PARTY LOGISTICS)
Empresa que administra toda ou parte das operações logísticas de outra empresa.

LOGÍSTICA INTEGRADA (INTEGRATED LOGISTICS)
É um amplo sistema de visão gerencial da cadeia de abastecimento, desde o fornecimento de matérias-primas e insumos até a distribuição do produto acabado ao cliente final (consumidor). Pode ainda ser considerado o retorno dos resíduos oriundos do produto, tais como embalagens e o produto propriamente dito para reciclagem.

LOGÍSTICA NOS NEGÓCIOS (BUSINESS LOGISTICS)
O processo de planejamento, implementação e controle da eficiência, fluxo efetivo e armazenagem de produtos acabados, serviços e Informações desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o propósito de atender as necessidades dos clientes. Note que estas definições incluem suprimentos.

LOGÍSTICA REVERSA (REVERSE LOGISTICS)
Atividades e habilidades gerenciais logísticas relacionadas a redução, administração e disposição de detritos perigosos ou não derivados de produtos ou embalagens. Inclui distribuição reversa que faz com que os produtos e Informações sigam na direção oposta das atividades logísticas normais. Historicamente, o processo logístico termina uma vez que o produto alcança o consumidor. A logística reversa mistura as atividades da logística clássica com as atividades da logística conservadora, executando atividades de reciclagem e controle as quais preservam o meio ambiente e conservam as matérias primas.

LOGISTICS CHANNEL
veja CANAL LOGÍSTICO

LOGISTICS SUPPORT ANALYSIS
veja ANALISE DE SUPORTE LOGÍSTICO

LOGISTICS SYSTEM
veja SISTEMA LOGÍSTICO

LOGISTICS
veja LOGÍSTICA

LORRY
veja CAMINHÃO

LOT OPERATION CYCLE TIME
veja TEMPO DE CICLO DE OPERAÇÃO DE LOTE

LOT SIZE
veja TAMANHO DE LOTE

LOTE (BATCH)
Quantidade definida de um produto ou componente que é tratada e identificada como uma entidade no que diz respeito a certas operações, como por exemplo, movimentação, processamento, aquisição, produção, transporte.

LOTE DE CAMINHÃO (TRUCKLOAD LOT)
Expedição de um caminhão qualificado em um índice de frete menor porque atinge um peso e/ou volume mínimo.

LOTE DE TRANSFERÊNCIA (TRANSFER BATCH)
Quantidade de um item movido entre centros de trabalho sequenciais durante a produção. A quantidade de unidades que são movimentadas de uma só vez de um recurso para o próximo

LOTE ECONÔMICO (ECONOMIC ORDER QUANTITY - EOQ)
E a quantidade de produtos que deve ser produzida, comprada ou transportada de uma vez e que é calculado com base em uma análise econômica.

LOTE FRACIONADO (SPLIT LOT)
Quantidade de ordem de manufatura fracionada em duas ou mais quantidades menores, geralmente depois do pedido ter sido liberado. As quantidades de um lote fracionado podem ser administradas paralelamente ou uma parte da quantidade original pode ser enviada com antecedência para uma operação subsequente enquanto é concluído o trabalho na quantidade restante. O objetivo de se dividir um lote é reduzir o lead time de parte do pedido.

LOTE PILOTO (PILOT LOT)
Pedido preliminar relativamente pequeno de um produto. O propósito deste lote pequeno é correlacionar o projeto de produto com o desenvolvimento de um processo de manufatura eficiente.

LOTE POR LOTE (LOT FOR LOT)
Técnica de dimensionamento de lote que gera pedidos planejados em quantidades iguais para as necessidades individuais em cada período.

LTL-LESS THAN TRUCKLOAD
veja CARGA INFERIOR A UM CAMINHÃO

LUCRATIVIDADE DIRETA DO PRODUTO (DIRECT PRODUCT PROFITABILITY)
Um método contábil utilizado para determinar a contribuição de cada unidade de manutenção de estoque (SKU) para o lucro global através do refinamento das margens brutas dentro de uma rede de contribuições. Os custos diretos relacionados a estes SKUs são incorporados.

LUCRO OPERACIONAL ATRAVÉS DA ADMINISTRAÇÃO DE TEMPO E ESTOQUE (OPERATIONAL PROFIT THROUGH TIME AND INVENTORY MANAGEMENT - OPTIM)
Método de representação gráfica para visualização dos lead times, estrutura de custo e estoques em vários pontos da cadeia de suprimentos.

LUMPSUM CHART
veja FRETAMENTO GLOBAL

LUMPY DEMAND
veja DEMANDA IRREGULAR


 

Fonte autorizada:
Sindiex - Sindicato do Comércio de Exportação e Importação do Estado do Espírito Santo