Comex

5 Previsões para o Comércio Exterior em 2021

Grupo Pinho
March 3, 2022

Algo que é unânime, para todos os setores, é que o ano de 2020 foi, de longe, um dos mais desafiadores no comércio global e na gestão da cadeia de abastecimento.

Praticamente todos os setores da indústria foram abalados por interrupções. E embora o ano tenha começado com incertezas em torno da IMO 2020, guerras comerciais e Brexit, o aumento da Covid-19 foi, e continua sendo, um fator de incertezas que ninguém poderia imaginar.

A grande lição aprendida em 2020 foi que saber fazer previsões - ou, pelo menos, desenvolver cenários contingentes plausíveis - é fundamental para o sucesso em tempos voláteis. Confira nesse post as cinco principais previsões para ajudar a moldar as perspectivas para um 2021, esperançosamente, mais fácil para o Comércio Exterior.

1. Pandemia e Economia*

A Covid-19 agitou quase todos os aspectos da indústria da cadeia de suprimentos. O efeito indireto fez com que muitas empresas físicas fechassem, reabrissem e fechassem novamente, levando mais consumidores ao comércio eletrônico.

Com os fatores relacionados à pandemia acelerando a mudança para o e-commerce em até 5 anos, os varejistas lutaram para sobreviver em meio a um novo conjunto intenso de demandas de distribuição. E para quem está na área de logística, tem sido um desafio após o outro.

Quando a pandemia varreu o globo pela primeira vez, havia esperança de uma recuperação em poucos meses, na qual os efeitos malignos passariam rapidamente. À medida que a pandemia persistia, os líderes das empresas empresas tiveram de enfrentar uma realidade implacável: nem todas as empresas sobreviveriam.

As empresas estão enfrentando grandes desafios.

As questões a serem consideradas agora giram em torno dos padrões de consumo e da viabilidade econômica de um padrão emergente:

  • Os gastos do consumidor aumentarão ou diminuirão? A confiança é a chave. Um novo pacote de estímulo ou uma ampla disponibilidade de vacina provavelmente serão fatores determinantes.
  • Quais categorias de produtos aumentarão e quais cairão?
  • Como as tendências mudam? Que hábitos ou preferências que estão ditando os consumidores e que as empresas podem esperar que tenham um impacto realmente duradouro?

Análise: as empresas terão que disputar relacionamentos com fornecedores e competir por espaço excepcionalmente limitado com as transportadoras. Com um mercado apertado, especialmente em setores duramente atingidos como o da moda, por exemplo, encontrar fontes mais econômicas de fabricação, transporte e armazenamento - ou outro espaço de armazenamento - será crucial.

Planos de contingência e parcerias sólidas serão fundamentais. Se um fornecedor ficar aquém, outro pode salvar a cadeia de suprimentos de ficar estagnada e assim, de causar perdas de oportunidades de vendas. A chave será a velocidade. Em logística e transporte, os vencedores pós-COVID serão empresas que:

Permanecem em contato com a demanda do cliente durante um período de mudanças rápidas;

Reinventam modelos de negócios com estratégias robustas de comércio eletrônico;

Investem em tecnologia e inteligência de mercado;

São ágeis para superar obstáculos e encontrar novas vantagens competitivas.

2. Tarifas e comércio

Após dois anos de guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, uma série de tarifas, retaliações e ameaças de retaliação ainda ricocheteiam de um lado para outro. O acordo comercial de “Fase 1” alcançado em janeiro de 2020 foi abalado pela Covid-19; e as indicações atuais mostram que a China não terá cumprido as metas numéricas para as exportações dos Estados Unidos até o momento em que o presidente eleito Joseph Biden assumir o cargo, em 20 de janeiro de 2021.

Ainda não se sabe como o presidente eleito administrará os acordos comerciais com a China, a UE e outros parceiros comerciais, portanto, as empresas devem fazer planos para essa incerteza.

Além disso, com a notícia de que a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA emitiu uma Ordem de Retenção de Liberação para produtos feitos com algodão da região de Xinjiang, na China, em 2 de dezembro, preocupações alfandegárias inesperadas podem surgir. Uma possível conseqüência poderia ser um aumento nas inspeções de remessas de produtos de algodão para determinar seu local de origem.

3. Oceano

Em meio a toda reconfiguração estratégica, os embarcadores se voltaram para opções marítimas, entrega garantida e outros serviços premium para manter a cadeia de suprimentos o mais ágil possível. Em alguns mercados, eles tiveram que pagar um prêmio alto apenas para obter um contêiner vazio.

Em 2020, o mercado oceânico foi marcado por viagens em branco desde o início da pandemia, continuando ao longo do ano, operando sob a premissa de baixa demanda.

Na maioria dos anos, quando se espera que a demanda seja fraca, as transportadoras marítimas reduzem as taxas para ganhar ou manter a participação no mercado.

Em 2020, no entanto, as operadoras mostraram notável disciplina no gerenciamento de capacidade, com a disponibilidade caindo em até 40%. Ainda assim, surpreendentemente, a demanda se recuperou rapidamente, criando um atrito que resultou em taxas recordes. Apesar das condições adversas, a alta temporada não deu sinais de desaceleração. Conforme falamos anteriormente no post: A crise dos contêineres.

Análise: As altas taxas à vista em vigor agora se infiltrarão nas taxas fixas e afetarão as negociações de contratos em 2021. De modo geral, a oferta e a demanda mudaram para a vantagem das transportadoras.

Além disso, uma escassez de equipamentos bem divulgada que está afetando a indústria também deve continuar, possivelmente durante o primeiro semestre de 2021. Globalmente, a indústria tem contêineres suficientes. Mas, eles estão nos lugares errados - e levará meses para resolver o problema.

Algumas empresas podem ser obrigadas a repassar os custos de envio adicionais, diretos ou indiretos, aos consumidores. Outros podem buscar maiores economias no lado da oferta.

Em ambos os casos, o gerenciamento de capacidade veio para ficar, mesmo se a demanda cair, porque as operadoras ajustarão o fornecimento, se necessário. Além disso, a competição global nas rotas de comércio vai aumentar. Os consignatários devem se sentir confortáveis ​​com o pagamento de um preço premium se as mercadorias precisam ser movidas - pelo menos até que o equilíbrio entre a oferta e a demanda seja restaurado.

4. Ar

Desde o seu surgimento, junto com a era de ouro das viagens aéreas de passageiros na década de 1970, a carga aérea tem sido a maneira mais rápida de transportar mercadorias. Agora, só é mais rápido se você conseguir espaço.

O frete aéreo está passando por uma crise de capacidade ainda maior do que o oceano, agravando os desequilíbrios de oferta e demanda em muitas das principais rotas de comércio global.

A Covid-19 mudou a forma como as pessoas viajam, acabando com os voos e, em seguida, frotas inteiras de aviões, deixando as pessoas com medo de retornar - especialmente sem uma vacina disponível ainda. À medida que as empresas encontram maneiras mais fáceis de se conectar, contando com trabalho remoto, videoconferência e reuniões virtuais, as viagens de negócios são menos essenciais. E essas mudanças podem causar um difícil caminho de volta à recuperação total, à medida que as empresas buscam reduzir os orçamentos de viagens a longo prazo.

Na verdade, a Associação Internacional de Transportes Aéreos (IATA) estima que as viagens de passageiros não retornarão aos níveis anteriores à Covid até 2024 - no mínimo. Uma pesquisa realizada pelo Boston Consulting Group (BCG) Henderson Institute descobriu que 66% das mais de 300 empresas globais pesquisadas esperam que as políticas de viagens mudassem permanentemente.

Análise: a capacidade será extremamente limitada antes mesmo de contabilizar o impacto da distribuição da vacina. As taxas serão condizentes com 2020, mas têm potencial para subir ainda mais. Muito dependerá da força da demanda global do consumidor juntamente com a distribuição de vacinas.

Os cargueiros desempenharão um papel mais crítico na cadeia de abastecimento de carga aérea, já que o espaço da barriga permanece limitado, marginalizado pela pandemia. Os cargueiros tradicionais continuarão a adicionar capacidade às suas frotas, acelerando a entrega de novos aviões e convertendo os aviões usados ​​em configurações de cargueiros o mais rápido possível.

As companhias aéreas de passageiros também buscarão diversificar seus fluxos de receita - adicionando cargueiros à sua frota, convertendo aviões de passageiros recentemente redundantes. Além disso, é provável que as companhias aéreas continuem a investir em recursos locais para distribuição de produtos farmacêuticos. No entanto, a capacidade geral de movimentação em terra continuará a ser um gargalo para a indústria em 2021.

O advento da vacina e o estabelecimento de canais de distribuição urgentes tornam essas mudanças ainda mais prováveis ​​ao longo de 2021. Os fabricantes de vacinas estão mais preocupados com a rapidez do que com o custo, dando prioridade a esses embarques no mercado em relação a qualquer outro produto.

5. Dados e tecnologia

Com interrupções imprevistas em 2020, as empresas foram duramente atingidas em vários níveis. Foi um ano de observar mudanças externas dramáticas e de olhar para dentro. E com tudo isso, houve uma necessidade extrema de análises e respostas para informar a estratégia “mudando o pneu com o carro andando”.

Análise: dados e tecnologia oportunas se tornarão mais poderosas para navegar pelas mudanças e incertezas que devem durar por todo 2021. Para que as empresas tenham sucesso, elas precisarão buscar todas as vantagens para ajudar a mitigar o impacto econômico da Covid-19. Com isso, a análise de dados em tempo real, que permite a tomada de decisões críticas em tempo real, se tornará cada vez mais importante.

A Pinho investe em inteligência de mercado com a plataforma própria Meus Embarques.

“Nosso objetivo é garantir o acompanhamento dos processos de importação e exportação, para que as empresas possam visualizar uma série de dados e informações, relatórios de acompanhamento de status por canal, por modal e etc. Clientes como a Ambev, que tem mais de 200 CNPJs, podem filtrar as consultas, um a um, o que facilita a visualização dos dados. Mas também podem fazer a gestão de acesso de usuários, criar grupos, segregar internamente que o usuário X possa acessar os CNPJs 1, 2 e 3, por exemplo. Além dos status, a plataforma permite a visualização dos eventos já realizados e dos previstos.
Podem ser vistos os documentos relacionados a cada processo, prestação de contas do fluxo, com possibilidade de download. Dados importantíssimos principalmente em meio a pandemia.”, explica Mário Dalla Valle, gerente de TI da Pinho.

Construindo uma ponte sólida

Especialmente agora, dezembro pode ser uma ponte para uma nova temporada de RFP que inclina a escala para um ano de sucesso ou outro frustrante. O melhor curso de ação: Prepare-se em todos os níveis da cadeia de abastecimento com ferramentas críticas do comércio:

Tecnologia:

Dashboards completos, mapas de remessa em tempo real, análises que revelam tendências e padrões e uma colaboração mais estreita entre remetentes e fornecedores farão de 2021 o ano do gerenciamento de interrupções.

Serviços de consultoria tarifária e comercial:

A experiência em alfândega, combinada com os dados, pode revelar benefícios excepcionais, como quedas substanciais nas inspeções alfandegárias e taxas reduzidas.

Estratégias e serviços de transporte:

Saber como aproveitar a velocidade em relação ao espaço e quais rotas comerciais fazem mais sentido ajudará a maximizar o valor. Use programações de transportadoras mais dados históricos que vão além dos tempos de porta a porta para criar um modelo confiável para previsões de tempo de trânsito.

Calculadoras:

Outras ferramentas de recursos, como calculadoras de tarifas e de carbono, podem ajudar a manter as empresas no caminho certo para cumprir as metas financeiras e de sustentabilidade.

Dentro da estrutura de ferramentas, dicas e rastreamento, uma verdade inabalável permanece: a pandemia de Covid-19 é, em última análise, o que impulsionará 2021. Mesmo nos melhores cenários - vacinações generalizadas, uma recuperação nos padrões de consumo e comércio e maior capacidade de envio - haverá um período de ajuste profundo.

Saber acompanhar esses ajustes fará toda a diferença.

LEIA TAMBÉM: Comércio Exterior em 2021: E-commerce deve fortalecer o setor

*Post Traduzido do portal Flexport

Fale conosco
Contact us

Entre em contato pelo formulário abaixo, logo iremos atendê-lo.
Send us a message.